Memórias da Aldeia – A Mulher

Por Enori Chiaparini

369

No meu entender está faltando uma tese de doutorado sobre o papel da mulher na história da colonização do Alto Uruguai.

As família, em média, eram constituídas de 1O a 12 filhos. O trabalho no campo até a década de 197O era essencialmente braçal. As mulheres cuidavam dos filhos, da casa, faziam comida, lavavam roupas e ainda ajudavam o marido na lavoura. Sempre que passo pela Praça da Bandeira e vejo aquela mulher desenhada no chão, com a pedrinha portuguesa, fico pensando no trabalho hercúleo e heroico da mulher Bota Amarela.

O artista desenhou a mulher erechinense com extrema beleza e sensibilidade. Está de pés descalços, com vestido até o tornozelo, cabelos longos,com uma foicinha na mão… É o retrato digno, sublime, edificante, perfeito da mulher colonizadora, lutadora, guerreira, corajosa e desbravadora.

No início do século XX, a visão histórica do mundo era influenciada pela doutrina positivista, do filósofo francês Augusto Comte: “O amor por princípio, a ordem por base e o progresso por fim “.

Preconizava que a sociedade deveria evoluir aos poucos, de maneira lenta e gradativa. A moral era super rígida, isto é, os costumes, as tradições, os namoros,casamentos, possuíam regras severas e conservadoras…

Entrevistei nesses quase 4O anos de resgate histórico centenas de mulheres das mais diversas classes sociais e atividades profissionais. Ouvi coisas do “arco da velha”, gostaria muito de expressá-las, mas falta-me jeito, coragem e ousadia. Também sou fruto de uma educação, até certo ponto, repressora e conservadora. Mas aos poucos (após alguns goles de vinho para afrouxar os freios inibitórios), vou revelando alguns enigmas em doses homeopáticas… Tem aquela, em que as meninas não eram informadas que iam ficar mocinhas… Silêncio sepulcral (falar em sexo,nem pensar). Quando acontecia era um trauma, especialmente no interior. Casar grávida, era um tabu inconcebível. Muitas moças eram expulsas de casa, abandonadas, repudiadas por todos…Acabavam abortando e depois peregrinando nos lupanares da vida. A sociedade só aprovava o casamento (dentro de normas rígidas) e o Convento com disciplina ainda mais rígidas…Isso não significa dizer que, essas normas, muitas vezes, não tenham sido transgredidas…A vida humana é complexa e imprevisível…

Por Enori Chiaparini

Você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.