Hospital de Caridade comemora a Semana Farroupilha distribuindo erva-mate aos pacientes

308

Uma ação diferenciada foi realizada no Hospital de Caridade de Erechim na semana que marcou a Revolução Farroupilha. No dia 15 de setembro, dois funcionários – Clédio João Vogel e Ana Cláudia Fávero –, com vestimentas gaúchas, passaram pelos quartos para entregar um pacotinho de erva-mate e um flyer alusivo ao Gaúcho, comemorado em 20 de setembro. Nos quartos, o sentimento de boas-vindas e belos sorrisos foram vistos nos rostos dos pacientes e familiares, que aprovaram a iniciativa do HC.

O flyer destacou a bravura no sangue da nossa gente; nele constavam curiosidades sobre a Revolução Farroupilha, como as causas, a origem do nome, os símbolos e o fim do conflito. Com uma década de duração – de 20 de setembro de 1835 a 1º de março de 1945 – a Revolução Farroupilha foi a mais longa revolta do país e o segundo maior conflito armado do continente americano. A revolta contra o Império Brasileiro foi motivada pelo descontentamento da Província de São Pedro do Rio Grande com sua pouca autonomia e pelos altos impostos cobrados sobre o preço do couro e do charque gaúcho.

Como a tropa dos rebeldes gaúchos não possuía uniforme e armamento específico para a batalha, muitos lutaram com roupas velhas, esfarrapadas e levaram suas próprias garruchas, espingardas e facas. Daí a origem do nome farroupilha. Foi durante o período da Revolução Farroupilha que surgiram o hino, a bandeira e o brasão de armas, símbolos mantidos até hoje pelo Rio Grande do Sul. Em março de 1845, a assinatura do tratado de Poncho Verde põe fim à guerra, restabelecendo, assim, a paz.

Ainda vivenciando o espírito farroupilha, no dia 19 de setembro foi desenvolvida uma Oficina de Chimarrão para os funcionários. As duas atividades contaram com o apoio das indústrias de erva-mate Rei Verde e Cristalina.

Você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.