Vossa majestade, o poste

627

Quero usar parte deste espaço para transcrever o post do amigo Lauro Pedot, policial militar rodoviário, profundo conhecedor da Legislação de Trânsito, e que nesta semana presenteou a todos com um belíssimo texto, recheado de pessoal poesia e excelentes lembranças, que remetem a um passado glamoroso, mas acima de tudo, pode ser descrito como uma ode ao amistoso povo do belo município de Getúlio Vargas.

 

 “Vossa majestade, o poste histórico de Getúlio Vargas, RS

Silenciosamente reina em absoluto, sem importar-se, nem temer as intrigas da corte, se existem. Às vezes sonha estar numa gôndola nos canais de Veneza, della nostra Stivalle del cuore, ouvindo Il Sole Mio, pois está sobre uma antiga ponte. Num momento aparentou estar investigando, com a mesma discrição de um P2 brigadiano ou de Sherlock Holmes na Baker Street em Londres. Dono de todos os segredos dos transeuntes, mas ele é fiel aos seus súditos admiradores, tão leal que poderia trabalhar na ABIN brasileira ou no MOSSAD israelense, até mesmo na OTAN. Postura garbosa digna de um militar tradicional, jamais abaixa seu olhar, mira como o olhar de um comandante de uma legião romana, voltando vitoriosa de suas batalhas na Gália.

Testemunhou os buracos, o pavimento bem nivelado, as enchentes assustadoras, a recessão desolante, o boom imobiliário, a limpeza das ruas, a implantação do Prodege, a vitória da vinda dos cursos superiores (IDEAU) e o aumento do empreendedorismo deste povo laborioso e tenaz. Majestade Poste, sou tão admirador deste povo que me recebeu tão bem há 30 anos, quanto Vossa Majestade! Continues com vosso olhar atento, digno do Sun Tzu, rogando ao comandante do Cosmos, que consigais inspirar bons sonhos e “semear luz” a este querido povo getuliense”.

 

Por Alan Dias

 

Você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.