Seminário de Iniciação Científica da URI premia melhores trabalhos

62
Um espaço de socialização, conhecimento e integração de pesquisa e extensão entre a URI e outras instituições de ensino superior do país e do exterior. Assim foi o XXIII Seminário Institucional de Iniciação Científica da URI (SIIC), realizado neste ano pelo câmpus de Erechim na quarta-feira, 18, e que reuniu mais de 800 acadêmicos e professores. Paralelamente também aconteceram o XXI Seminário de Integração de Pesquisa e Pós-Graduação e o XV Seminário de Extensão.
        Após um dia intenso de troca de conhecimentos, todos os participantes foram reunidos no Salão de Eventos, onde aconteceu a cerimônia de encerramento. O professor Luiz Hepp, do Curso de Ciências Biológicas, apresentou o projeto de divulgação científica “A Folha”, desenvolvido por acadêmicos com o objetivo de apresentar pesquisas e resultados de forma dinâmica e simples.
        Em seguida, a Diretora Acadêmica, Elisabete Maria Zanin, fez uma homenagem ao ex-professor do câmpus, Nédio Piran. Ele desenvolveu suas atividades de professor e pesquisador por mais de 40 anos, ministrando diversas disciplinas e publicando livros e capítulos de livros. A entrega de uma placa em homenagem ao professor foi feita pelo Diretor-Geral, Paulo José Sponchiado, e o coordenador de área de Ciências Humanas, Carlos da Silva.
        O SIIC encerrou com a premiação dos destaques de Iniciação Científica e Extensão:

Iniciação Científica

– Breno Capeletto de Freitas, do câmpus de Erechim, com o trabalho sobre “A Conciliação e a (in)efetividade da Resolução 125 do CNJ enquanto política pública nos Centros Judiciários de Solução de Conflitos instalados na Comarca de Erechim”, com orientação da professora Giana Lisa Zanardo Sartori.
– Francine Padilha, do câmpus de Erechim, com o trabalho “Estudo da Influência do Uso Endurecedores Superficiais na Dureza Superficial de Concretos Empregados em Pisos”, com a orientação da professora Cristina Vitorino da Silva.
– Juliana Andriolli Ribeiro, do câmpus de Erechim, com o trabalho “Determinação de toxicidade do extrato bruto de uvaia (Eugenia pyriformis Cambess) por ensaio in vitro com artemia salina”. A orientação foi da professora Silvane Souza Roman.
– Maiane Bury de Oliveira, do câmpus de Erechim, com o trabalho: “Ephemeroptera (Insecta) como bioindicadores de condições ecológicas em riachos de Mata Atlântica”. A orientação foi da professora Rozane Maria Restello.
– Samuel Vargas Munhoz, do câmpus de São Luiz Gonzaga, com o trabalho “Acessibilidade na URI São Luiz Gonzaga – A construção de uma universidade acessível a todos”. A orientação foi da professora Lizandra Andrade Nascimento.
– Tatiane Fontana Ribeiro, do câmpus de Frederico Westphalen, com o trabalho “Soluções espectrais para problemas envolvendo taxas de variação formulados por equações integrais”, com orientação do professor Carmo Henrique Kamphorst.
– Raiane Candaten, do câmpus de Frederico Westphalen, com o trabalho “Dialogismo: estudo das vozes discursivas e dos processos interlocutivos nos gêneros notícia e artigo de opinião”, tendo como orientadora Marinês Ulbrik Costa.
Extensão
– Andressa Arboit Fritzen, do câmpus de Erechim, com o trabalho “Avaliação das Boas Práticas de Fabricação em Agroindústrias do Alto Uruguai”, tendo como orientadora a professora Clarice Steffens.
– Carléia Juliana da Veiga, do câmpus de Erechim, com o trabalho “Estado Nutricional e Educação Alimentar com gestantes de uma Unidade Básica de Saúde de Erechim”, tendo como orientadora a professora Gabriela Pegoraro Zemolin.
– Iara Souza da Rosa, do câmpus de São Luiz Gonzaga, com o trabalho “Observatório de estudos culturais & diversidades: uma história recente que cresce a cada dia”, tendo como orientadora a professora Sonia Regina Bressan Vieira.
– Sabrina Burin, do câmpus São Luiz Gonzaga, com o trabalho “Orientação Profissional: projeto de vida”, com a orientação da professora Lizandra Andrade Nascimento.
– Guilherme Henrique da Silva, do câmpus de Frederico Westphalen, com o trabalho “Música no ambiente hospitalar: uma possibilidade de proporcionar alegria e ludicidade na internação”. A orientação foi da professora Juliane Cláudia Piovesan.
– Rafaela Martinelli da Costa, do câmpus de Frederico Westphalen, com o trabalho “Trilhas interpretativas: uma prática para a educação ambiental”, com orientação da professora Cláudia Felin Cerutti Kuhnen.
Você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.