Lavouras de inverno não devem alcançar produtividade prevista

52

Os produtores devem iniciar nos próximos dias o plantio da safra de soja 2017/2018 na região do Alto Uruguai, segundo o informativo conjuntural do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim. A soja deve ocupar uma área de 245 mil hectares, com aumento da área em torno de 4% em relação à safra passada quando foram semeados 235 mil hectares. Os produtores devem dar uma pausa no plantio das lavouras de milho para iniciar o plantio da soja reiniciando após a conclusão do plantio da oleaginosa. Até o momento, de acordo com levantamento da Emater/RS-Ascar, 80% da área prevista para a próxima safra, tanto para grão como para produção de silagem, já esta plantada.

Já as lavouras de inverno como trigo e a cevada podem não alcançar a produtividade estimada inicialmente, devido às condições climáticas não favoráveis como excesso de chuvas, ventos e até queda de granizo, de acordo com a Emater/RS-Ascar. Alguns produtores já estão acionando o proagro (seguro agrícola). As lavouras de trigo estão em fase de enchimento de grãos e maduro por colher. A cultura apresenta manchas foliares, algumas apresentam sintomas de Giberela e Bacteriose. As lavouras de cevada estão em fase de enchimento de grãos/maturação.

Oleícolas

A alface está com boa qualidade. O repolho está em plena safra. A rúcula e radiche têm boa aceitação nos mercados, bem como o tempero verde cuja produção pode ser ofertada em todas as fases.

Fruticultura

Até o momento o desenvolvimento das frutíferas é normal, podendo haver alterações em funções das condições climáticas. No momento ocorre a colheita de pêssego das variedades precoces como PS e Premier com frutas em ótima qualidade. Nas regiões mais quentes a colheita ocorre mais cedo. As parreiras estão em estado de grãos-ervilha. Os figos estão em fase de floração. Em relação ao caqui houve problemas com a queda de frutas. Há expectativa de uma boa colheita de maçã pela boa frutificação. Prossegue a colheita do morango com boa produção.

Citricultura:

Dos 2.381 hectares cultivados com citricultura, safra 2017, a estimativa é de que 2 mil hectares estejam colhidos, segundo informativo conjuntural do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim. A produtividade média de 21 t/ha o que resulta numa produção total de 42 mil toneladas. O produtor recebeu em média R$0,39/kg resultando numa renda bruta de R$ 8.190,00/ha o que hoje corresponderia a 132 sacas de soja ou 327 sacas de milho por hectare.

Da produção total, 85% comercializada para indústria e 15% para consumo in natura, mercado interno, merenda escolar e para outros estados como SC e PR. A produção teve queda em torno

de 35%, devido, principalmente, fatores nutricionais e climáticos como temperaturas muito altas para época bem como logo em seguida geadas que afetaram o desenvolvimento dos pomares.

Perspectivas para 2018: A produção de laranja continua sendo uma alternativa para pequenas propriedades rurais, pois cada vez mais se consolida num mercado promissor. A previsão é de aumento de 10% da área a ser cultiva. Quanto à produção para 2018, a estimativa é de mantar a da safra de 2017. Tivemos alguns problemas de floração desuniforme. A variedade Valencia continua sendo o carro chefe da região do Alto Uruguai em termos de área e produção. Alguns produtores enfrentam alguns entraves na comercialização em função das exigências da Instrução Normativa 37.

Criações

A Bovinocultura de corte ocupa posição discreta entre as atividades econômicas desenvolvidas pelos agropecuaristas da região do Alto Uruguai. Apesar da falta de tradição, a bovinocultura de corte tem-se apresentado como uma boa alternativa para famílias com baixos recursos financeiros para investir, pouca mão de obra, idade avançada (aposentados), ou que não querem submeter-se á rotina e penosidade de outras atividades pecuárias, como bovinocultura de leite, suinocultura e avicultura. Na semana, a oferta de boi gordo continuou alta. As pastagens estão com ótimo desenvolvimento. O preço ficou estável, variando entre R$ 4,50 e 5,00/kg de PV.

Na piscicultura, intensificam-se as reservas de alevinos. Os piscicultores estão preparando os tanques para o povoamento. Na semana, os preços das carpas situaram-se entre 3,30 e 6,50 R$/kg, dependendo da espécie e do tamanho. Valores estáveis na semana.

 

TABELA DE PREÇOS PRATICADOS NA SEMANA

Produto/    Preço médio da semana R$/   Observações

SOJA –        62,50/sc em 21 dias     –          Preço Cotrel

MILHO –    25,00/sc em 35 dias –             Preço Cotrel

FEIJÃO –    100,00/sc em 35 dias  –          Preço Cotrel

LEITE –         0,85/l                           –           Preço médio ao produtor

MEL –            20,00/kg –                               Preço produtor

CARPA(Peixe vivo) – 3,30 à 6,50 nas feiras – Preço do produtor

SUINOS-      3,10/kg –                                  Preço Cotrel

 

Você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.