O trabalho de uma ONG de animais

217

Quero usar parte deste espaço para reproduzir texto da colega, amiga e incansável voluntária em defesa dos animais, Sirley Ioppi, explicando um pouco sobre o trabalho e dificuldades enfrentadas pelas ONGs no município. Apesar do esforço, as mesmas constantemente acabam sendo alvos de ofensas e indignação, então acredito que o esclarecimento possa servir para um melhor entendimento sobre o trabalho desenvolvido.

“ONG de Animais é apenas um nome, pois ela é formada por voluntários, assim como uma igreja é feita pelos fieis. Então, antes de reclamar sobre o atendimento dos ‘voluntários’ das ONGs de nossa cidade procure conhecer como funciona esse trabalho, que não recebe dinheiro público e é feito por pessoas comuns que trabalham, estudam, pagam impostos, aluguel, telefone, combustível. São donas de casa, pais, mães, filhos, enfim, pessoas iguais a você, que abdicam do seu tempo livre para ajudar animais que estão perdidos, abandonados ou em situação de risco.

Após trabalhar durante todo o dia, ou a semana inteira, os voluntários ainda têm o ânimo e vontade para ir aos abrigos, levar o animal ao veterinário, ajudar nos brechós, organizar feira de adoção, arrecadar doações, vender rifas, vender ingressos de almoço, entre outras atividades para pagar despesas com veterinários, medicação, ração, água, luz, entre outras. O voluntariado é uma das funções mais nobres que existe. Ajudar ao próximo não deve ser algo que devemos fazer apenas com pessoas; os animais também fazem parte de nossas vidas.

Porém, é importante ressaltar que as associações não têm condições de receber tantos animais, os abrigos estão cheios e os chamados ‘Lar Temporários’ também, o m

ais recomendado é que antes de recorrer aos abrigos, procurem encontrar uma solução, encontrando alguma família que esteja disposta a receber o animal, faça os primeiros socorros quando for necessário, faça a sua parte.

Sempre digo: um animal depende de uma atitude humana. Devemos ser parte ativa nessa questão. Somos todos responsáveis em acolher, ajudar e resgatar os animais”.

Por Alan Dias 

Você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.